Siga o Jornal de Brasília

Celebridades

Marília Mendonça revela que letras são autobiográficas

Avatar

Publicado

em

A cantora Marília Mendonça foi um dos destaques do Altas Horas deste sábado, 4/11. Pela primeira vez no programa, ela cantou e também abriu o coração sobre vários assuntos, como a relação conturbada que tem com os irmãos e o início de sua carreira. Confira!

“Aos 12 anos, eu já estava na sofrência.”

Como tudo começou

“Eu comecei cantando na igreja, com um playbackzinho. Todas as adolescentes da igreja cantavam assim. Isso em Goiânia. Eu nasci em Cristianópolis, mas fui lá só para nascer. Inclusive, estou devendo uma visita, porque fiquei sabendo que sou o orgulho de lá. Não voltei ainda!”

A primeira música, a gente nunca esquece

“A primeira vez que eu fui cantar na igreja foi engraçado, porque eu esqueci a letra, comecei a chorar e chamei a minha mãe. Eu tinha uns 10 anos de idade. Aos 12 eu já estava na sofrência, eu fiz a minha primeira música aos 12 anos.”

As letras são autobiográficas

“São também. Eu não tive muita sorte aí por onde eu passei não. É mais fácil falar assim. E tem algumas histórias que não terminaram felizes como na música.”

Marília Mendonça fala sobre as letras de suas músicas

A vida nem sempre foi fácil para Marília

“Na minha sofrência, eu conto uma história e termino sempre com um final feliz para o lado da mulher, não sei se vocês perceberam. Nem sempre as coisas funcionaram assim na minha vida. E nem sempre as músicas terminaram como eu quis.”

Relação com os irmãos

“Já bati e apanhei. Eu tenho alguns irmãos por parte de pai que eu perdi o contato já faz um tempo. Depois que o meu pai faleceu, a gente nunca mais se viu. São ‘apenas’ oito irmãos por parte de pai. Meu pai era ‘o’ cara. E tenho um irmão que mora comigo, meu irmão mais novo, que a gente já pegou umas brigas pesadas pelo pedaço maior de bife.”

Empoderamento feminino

“O sertanejo sempre foi considerado um estilo muito machista. Eu fui me enfiando onde me cabia. Quando eu comecei na composição, eu fui contando histórias em que a mulher se dava bem. Lá onde tudo era mulherada, balada, carro, eu fui trazendo junto com os compositores que faziam música comigo… colocando a mulher atual que está com ele para cima. Hoje, eu posso fazer o que eu amo e o que a gente merece, não é, meninas?”

Serginho Groisman também contou com a presença do humoristaWhindersson Nunes e da atriz Nathalia Dill, além de musicais com Os Filhos dos Caras (Jair Oliveira, Léo Maia e Wilson Simoninha) e uma apresentação especial de Criolo e Nelson Sargento cantando juntos.

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *