Siga o Jornal de Brasília

Economia

Secretária vê demanda por projetos, apesar da crise causada pela pandemia

Para a secretária especial do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), Martha Seillier, o potencial desses investimentos é de crescimento

Brasília de Fato

Publicado

em

Apesar da redução da demanda na pandemia, o governo diz que a crise sanitária não vai tirar a atração dos investidores pelos leilões das 28 concessões na semana de infraestrutura.

Segundo a secretária especial do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), Martha Seillier, o potencial desses investimentos é de crescimento no longo prazo. “Cada um desses contratos são de 30 anos, 35 anos. A percepção é de que a crise de saúde é temporária quando comparada ao tempo desses contratos”, afirma Martha.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

As concessões que vão a leilão fazem parte da carteira do PPI. A secretária destaca a intermodalidade das concessões nos três dias de certames. “Nunca tivemos leilões em diversas áreas de forma tão próxima e com tanta relevância”, avalia Martha.

Ela admite que a pandemia dificultou a movimentação dos potenciais investidores em visitas in loco, mas foi possível avançar na estruturação dos projetos para colocar o leilão de pé com a validação do Tribunal de Contas da União (TCU).

Já o secretário especial de Desestatização do Ministério da Economia, Diogo Mac Cord, afirma que as taxas de juros internacionais estão extremamente baixas, o que traz um excesso de liquidez de capital internacional procurando investimentos que tragam retorno.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

“Temos tantas coisas a fazer que nossos projetos estão olhando a demanda reprimida”, diz Mac Cord. Segundo ele, o governo tem recebido muitos investimentos, independentemente da pandemia, e possui um bom histórico de cumprimento de contratos.

Na sua avaliação, o gargalo da produção de projetos para a concessão vem sendo superado junto com a reformulação dos marcos legais.

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *