Porta-voz: pedido de apoio à entrada na OCDE busca volta de grau de investimento

Bolsonaro deve ter alta na próxima semana, diz porta-voz. Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

A organização é composta pelos 36 países mais ricos do mundo

A entrada do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) é um caminho para o País reaver o grau de investimento, disse o porta-voz da Presidência da República, general Otávio Santana do Rêgo Barros. 

Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro conseguiu apoio do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para que o Brasil possa se candidatar a uma vaga no grupo. Porém, o Brasil terá que abrir mão do tratamento diferenciado que possui na Organização Mundial do Comércio (OMC).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


O porta-voz disse nesta segunda-feira, 25, que a entrada do Brasil na OCDE “naturalmente trará pontos positivos”, entre eles apoio internacional à realização de reformas estruturantes, uma legislação econômica compatível com padrões internacionais e troca de melhores práticas na área de economia, educação, saúde, segurança, transparência, governança, tributação e meio ambiente. Segundo ele, em última instância, isso trará ganhos ao cidadão.

Já o fim do tratamento especial a que tem direito nas negociações da OMC será um “processo paulatino”, que “não caracteriza a saída da organização”. Rêgo Barros destacou ainda que o status de aliado estratégico extra-Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) deve facilitar a troca de conhecimentos na área militar e a compra de equipamentos pelas Forças Armadas brasileiras. Segundo o porta-voz, a atuação “exitosa” do Brasil nas missões de paz do Haiti reforçou a posição do País nesse tema.

Outra conquista do presidente Jair Bolsonaro, disse o porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, foi a criação do Prosul (Foro para o Progresso da América do Sul), durante a ida ao Chile, na semana passada.

“A criação do Prosul trará mais flexibilidade, integração e cooperação sem ideologias” disse o porta-voz.

A criação do Prosul foi assinada pelos presidentes do Brasil, Argentina, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru e um representante do governo da Guiana. O Chile, autor da iniciativa, vai presidir o Prosul pelos próximos 12 meses. A seguir, a presidência será ocupada pelo Paraguai.

O fórum foi criado em substituição à Unasul, criada em 2008 com 12 países da região, inclusive Venezuela, Bolívia e Uruguai, excluídos do Prosul.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

Adicionar Comentário

Clique aqui para adicionar um comentário

2 × três =

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Send this to a friend