Siga o Jornal de Brasília

Economia

Rússia anuncia restrições temporárias à carne suína e bovina do Brasil

Publicado

em

Carne Fraca

O serviço veterinário e fitossanitário da Rússia, Rosselkhoznadzor, anunciou nesta segunda-feira, 20, em nota publicada no site da instituição, que vai impor restrições temporárias à carne bovina e suína do Brasil a partir de 1º de dezembro.

Segundo o departamento russo, a medida se deve à detecção na carne exportada de substâncias como ractopamina e outros estimulantes para o crescimento da massa muscular dos animais. “Infelizmente, o Rosselkhoznadzor é forçado a afirmar que, de acordo com os estudos laboratoriais, os estimulantes de crescimento banidos foram novamente detectados nos produtos de criação de gado que chegam à Rússia do Brasil em 2017”, afirma.

A Rússia diz ainda que, “para regular a situação e obter informações confiáveis do lado brasileiro”, o Rosselkhoznadzor enviou uma proposta ao Ministério da Agricultura, no dia 16 de novembro, para conversar o mais rápido possível. “No entanto, o diálogo com o lado brasileiro não ocorreu até o presente”, diz o departamento russo.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

O Ministro da Agricultura, Blairo Maggi, disse nesta segunda-feira, 20, em entrevista coletiva, que as restrições da Rússia à carne bovina e suína do Brasil se referem apenas a algumas empresas e que essas companhias devem corrigir o problema identificado. “Se alguma empresa fraudou, deixou passar ou não conseguiu controlar isso, cabe a eles fazerem essas adequações”, afirmou.

22/03/2017- Brasília- DF, Brasil- Ministro Blairo Magi durante depoimento sobre a operação Carne fraca na CAE do senado. Foto Lula Marques/AGPT

Nesta segunda, o serviç veterinário e fitossanitário russo, Rosselkhoznadzor, publicou nota afirmando que vai impor restrições temporárias à carne bovina e suína do Brasil a partir de 1º de dezembro. Segundo o departamento russo, a medida se deve à detecção de substâncias como ractopamina e outros estimulantes para o crescimento da massa muscular de animais nos alimentos enviados ao país.

Segundo Maggi, o uso da substância é liberado no Brasil, mas proibido na Rússia e demais países da Europa, mas o ministério faz um controle sobre isso relativo às exportações.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *