Siga o Jornal de Brasília

Economia

Centrais sindicais rebatem TST e criticam reforma trabalhista

Avatar

Publicado

em

O presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores), Vagner Freitas, afirmou que todas as alterações promovidas pela reforma trabalhista beneficiam empresários e prejudicam a classe trabalhadora.

Centrais sindicais divulgaram nota nesta segunda-feira (6) para rebater as declarações do presidente do TST (Tribunal Superior do Trabalho), ministro Ives Gandra da Silva Martins Filho. Em entrevista à Folha de S.Paulo, ele disse que é necessário reduzir direitos para garantir empregos.

Declarou, ainda, que a central iniciou uma coleta de assinaturas para apresentar um projeto de lei de iniciativa popular para anular a reforma.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

“Foi colocado pelo Ives Gandra Martins a denúncia que a CUT fazia: a reforma trabalhista veio para precarizar direitos dos trabalhadores. Isso mostra que não estávamos fazendo terrorismo”, disse Freitas, que considera a reforma “um absurdo”.

O secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves, afirmou por meio de nota que as declarações do ministro “revelam um posicionamento arcaico, demonstram falta sensibilidade social e não valorizam a importância dos representantes dos trabalhadores no equilíbrio das relações entre empregados e empregadores”.

Entre as várias alterações que promove, a reforma trabalhista acaba com a obrigatoriedade do imposto sindical. O texto entra em vigor no próximo sábado (11).

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Com informações da Folhapress.

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *