Siga o Jornal de Brasília

Economia

Confiança do Comércio recua em maio depois de cinco altas consecutivas

Publicado

em

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

O Índice de Confiança do Comércio (ICOM) recuou 0,5 ponto em maio, ao passar de 89,1 para 88,6 pontos. O resultado ocorre após cinco altas consecutivas, período em que o indicador acumulou crescimento de 11,1 pontos.

Os dados relativos à Sondagem do Comércio foram divulgados hoje (25) pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV). Segundo os economistas da FGV, a queda de maio reflete resultados negativos em seis dos 13 segmentos pesquisados e foi determinada pela piora no Índice de Expectativas (IE-COM), que caiu 1 ponto no mês, para 94,8 pontos.

Já o Índice de Situação Atual (ISA-COM) ficou estável em 82,9 pontos. A maior contribuição para a queda do Índice de Expectativa no mês foi dada pelo quesito que mede o otimismo com a situação dos negócios nos seis meses à frente, que recuou 1,1 ponto em relação ao mês anterior, para 94,3 pontos.

Para o superintendente de Estatísticas Públicas da FGV, Aloisio Campelo (foto), mesmo com os avanços consecutivos expressivos do Índice de Confiança do Comércio antes da queda de maio, a acomodação da taxa ocorre “em um patamar ainda baixo em termos históricos”.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Ao comentar o resultado na publicação da FGV, Campelo destaca que é possível notar recentemente “uma melhora de humor nos segmentos relacionados às vendas a prazo, um possível reflexo da tendência de queda dos juros e liberação de recursos do FGTS”.

Ele lembra, porém, que a coleta de dados para a pesquisa de maio “já estava quase terminando quando começou uma crise política, no dia 17, com potencial para aumentar o grau de incerteza econômica e afetar o ritmo (já lento) de recuperação do setor”.

Índice de Situação Atual/Indicador de Desconforto

Apesar da estabilidade do ISA-COM em maio, a FGV lembra que o índice avançou pelo quarto mês consecutivo, quando consideradas as médias móveis trimestrais e que, paralelamente, outro indicador sinaliza melhora do ambiente de negócios no ano.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

“É um indicador de ‘desconforto’, construído com dados da Sondagem do Comércio ao se agregar as proporções de empresas que apontam três fatores limitativos à melhoria dos negócios diretamente relacionados ao mau humor empresarial: demanda insuficiente, custo financeiro e acesso a crédito bancário”, dizem os economistas da FGV.

Para a fundação, a relação entre os dois indicadores é historicamente forte, com uma correlação (negativa) de -0,99: Apesar dessa relação histórica, o Indicador de Desconforto havia se estabilizado nos dois meses anteriores, sugerindo a possibilidade de que o ISA-COM estivesse avançando além do desempenho efetivo do setor.

“Mas o retorno desse indicador à tendência de queda mostra que, ao menos até a nova crise política que abateu o país a partir de 17 de maio, o ambiente de negócios no comércio começava a dar sinais de melhora em 2017”, diz o estudo.

A edição de maio de 2017 coletou informações de 1.118 empresas entre os dias 2 e 23 deste mês. A próxima divulgação da Sondagem do Comércio ocorrerá em 27 de junho.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta