Siga o Jornal de Brasília

Economia

Romero Jucá apresenta projeto de regulamentação de lobby

Avatar

Publicado

em

PEC prevê exercicio da atividade por pessoa física ou jurídica nos três poderes da União, Estados e municípios, além de órgãos públicos

Um dos principais interlocutores do governo do presidente Michel Temer, o senador Romero Jucá (PMDB-RR) apresentou nesta semana uma Proposta de Emenda à Constituição para regulamentar a prática de lobby no Congresso e permitir, inclusive, que empresas apresentem “emendas e proposições” a projetos de lei que tramitam no Legislativo.

Pela proposta de Jucá, lida em plenário na terça-feira, o lobby poderá ser feito por pessoa física ou jurídica nos três poderes da União, Estados e municípios, além de órgãos como o Ministério Público Federal e tribunais de contas.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Os lobistas, que são chamados de “agentes de representação de interesses” no texto, terão que ser credenciados pelas empresas e poderão ter livre acesso nos órgãos públicos, além do direito de ter conhecimento formal dos encaminhamentos administrativos e processuais dados às matérias de seu interesse.

O texto registra que o lobista fica proibido de “oferecer ou prometer a prestação de vantagens financeiras de qualquer espécie” aos agentes públicos, e de “interferir ou tentar interferir” nas atividades de órgão como o Ministério Público. Pelo projeto, os representantes das empresas poderão ser responsabilizados por atos de improbidade administrativa, como se fosse um funcionário público.

“Cabe registrar que não nos escapa a percepção das sombras e suspeitas que o imaginário popular e o noticiário policial e judicial lançam sobre a atividade de lobby, mas, também, não podemos ignorar que a vertente séria dessa ação detém importância ímpar nas diversas vias de atuação do Poder Público em todos os níveis, carreando dados, informações, necessidades e elementos ricos e indispensáveis à melhor definição das políticas públicas, das ações estatais e da atividade legislativa e normativa”, diz o texto.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Na justificativa do projeto, Jucá também defende que seja punido “o lobby ilegal e criminoso e seus agentes, mas que isso não impeça o “lobby institucional, legal e regulamentado de prosseguir contribuindo positivamente para a ação estatal”.

A PEC 47 contou com o apoio de quase reinta senadores e foi lida na terça-feira, durante sessão do Senado. O texto terá que tramitar na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e, depois, ser apreciada pelo plenário. Para ser aprovada são necessários os votos de 49 votos dos 81 senadores. Depois desse processo, o texto é enviado à Câmara dos Deputados.

A pauta, que há décadas está em debate no Congresso, está em alta no governo Temer. Na quinta-feira, o Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle divulgou o resultado das reuniões de um grupo de trabalho criado para regulamentar o lobby.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

A proposta também exige o credenciamento do lobista, de forma que fique claro para qual empresa ou entidade ele trabalha. O governo fará audiências públicas antes de tirar a regulamentação do papel e elaborar um projeto.

(Com Estadão Conteúdo)

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *