Zoológico: o elefante a girafa e a morte

BEM-ESTAR ANIMAL SE CONSTRÓI COM TRABALHO, NÃO COM BRAVATAS E PIROTECNIA

Venho acompanhando com muita tristeza e aflição os últimos fatos ocorridos no Zoológico de Brasília. Fiquei bem sentido com o falecimento do Babu (elefante) e da Yvelise (girafa). Contudo, tenho a convicção de que as mortes desses animais não se deram por negligência da instituição, ao contrário do que vem sido denunciado pela presidente da Federação de Animais do DF e da Confederação Brasileira de Proteção Ambiental.

Não bastasse a natural consternação que sei que os técnicos do Zoo de Brasília estão vivendo, a instituição ainda será sabatinada em audiência agendada para o dia 9 de abril, motivada por uma ação popular que quer o seu fechamento, a pedido da Procuradoria-Geral do Distrito Federal, em função de uma ação movida pela Confederação Brasileira de Proteção Ambiental.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Saibam vocês que a pessoa que encabeça toda essa quimera encenação vive de factoides alimentados por declarações estapafúrdias! Sob ela já pesou uma condenação para indenizar um veterinário em R$ 100.000,00 por crime de injúria e difamação, após infundada denúncia de maus-tratos. Entre outras barbaridades, sua rede social já propagou que o Zoo de Brasília alimenta seus grandes felinos com cebolas! Mas ao longo desses anos houve trégua nas suas indevidas denúncias. Seu remanso durou alguns meses em 2015, com a perspectiva de ocupar um DFA-13, para ser Assessora de Comunicação Social da Fundação Jardim Zoológico de Brasília. Por sorte, suas indecorosas articulações foram travadas pelo Rodrigo Rollemberg, após alguns telefonemas meus recomendando para que ele não nomeasse ela e sua horda de malfeitores. Após essa infrutífera empreitada e do desmoronamento do grupo ligado à Celina Leão, causado por uma matéria veiculada no Correio Braziliense, sua antipatia ao governo refloresceu.

Rogo para que as autoridades presentes na descabida audiência percebam que o movimento dela é raso e mira simplesmente o sufrágio que se aproxima.

O Zoo de Brasília está longe de ocupar destaque mundial em seu ofício, mas considerando nossas realidades ele cumpre muito bem o seu papel. Entre 2015 e 2016 revolucionamos sua área de educação. Em 2017 o Zoo de Brasília se projetou para se tornar referência em pesquisa e extensão. Neste ano, em que o Zoo comemora seu 60º aniversário, Brasília sediará o 42º Congresso da Sociedade de Zoológicos e Aquários do Brasil, projeto embrionado por mim e pelo saudoso Romulo Mello, e devidamente abraçado pelo Atual presidente, Gerson Norberto.

Tenho inúmeras críticas ao governo do Rodrigo Rollemberg, mas se tem uma coisa que destaco na sua gestão é o Zoo! Seu atual Diretor-Presidente vem de um processo seletivo impessoal, transparente e de ampla divulgação acompanhado por mim, e com todo o respaldo do então secretário de meio ambiente André Lima.

Alguns devem estar se perguntando o que me motivou fazer essa defesa institucional após ter sido exonerado por falar “Fora Temer” ao vivo na Globo. A estes fica o recado de que milito por ideologia, sem medo de perder ou ganhar cargos. O constrangimento causado pela nota exarada pela assessoria de comunicação do Governador não me atingiu o fígado! Tenho compromisso com a verdade, palavra que passa longe do vocabulário da pessoa que hoje se coloca como protagonista de bandeira tão nobre. Por fim, lamento que entidades de proteção dos direitos dos animais tão importantes estejam sob o controle de gente tão mal intencionada. Tenho certeza de que se os animais fossem ouvidos, ela não os representaria.

Erico Grassi 
Militante ambientalista e ex-diretor do Zoológico de Brasília

Adicionar Comentário

Clique aqui para adicionar um comentário

três × dois =

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Send this to a friend