Siga o Jornal de Brasília

Destaque

Qual será o candidato da base?

Publicado

em

O jogo da sucessão no governo ainda está revestido de mistério. São pelo menos cinco nomes no páreo. Com a virada na economia, Temer dará as cartas

O governo terá um candidato da base para disputar a eleição presidencial. Taí uma certeza insofismável. A confiança para enfrentar as urnas não deriva das pesquisas. Está atrelada aos sinais de recuperação da economia.

O presidente Michel Temer disse na quarta-feira 20 que está “saudável” e não descarta ser candidato à reeleição em 2018. Mas se não for candidato, Temer pode dar as cartas na própria sucessão. Dispõe de um leque de opções. Poderá apoiar o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que já colocou o bloco na rua. Ou dar aval ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que não esconde o desejo de ser presidente. Ou endossar, quem sabe, o nome do presidente da Petrobrás, Pedro Parente, que começa a animar o meio empresarial.

A candidatura de Pedro Parente foi defendida pelo presidente da Embraer, Paulo César de Souza e Silva, em entrevista recente. Paulo César disse que o nome apoiado pelo governo tem de contar com o apoio do mercado empresarial. Na avaliação dele, Parente tem mostrado uma excelente capacidade de gestão à frente da Petrobras. Parente tem sido citado nos bastidores do Palácio do Planalto. Há também a possibilidade de Temer escolher um nome do centro, como o governador Geraldo Alckmin (PSDB), desde que ele, porém, quebre as resistências dentro do PMDB.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Qualquer que seja o escolhido, terá de dar continuidade às reformas, ao projeto de recuperação da economia brasileira e ao controle dos gastos públicos. Esse nome terá, acima de tudo, que defender o legado de Temer. Por isso, Meirelles acredita ser o pré-candidato adequado. O ministro já até contratou uma empresa para cuidar de suas redes sociais. Rodrigo Maia corre por fora. Embora afirme que tentará a reeleição, seus últimos movimentos no sentido de se aproximar novamente de Temer condizem com quem está interessado em entrar na disputa. Passou a defender com unhas e dentes a aprovação da reforma da Previdência.

Resta saber se Temer esquecerá as polêmicas que envolveram o presidente da Câmara, acusado de conspirar contra ele nos bastidores. Hoje, as relações se normalizaram. Mas o relógio joga contra. O governo tem menos de quatro meses para escolher um nome.

Ary Filgueira
IstoÉ

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta