Siga o Jornal de Brasília

Destaque

Rapaz invade escola e mata adolescente em Alexânia

Publicado

em

O suspeito pulou o muro da instituição, carregou a arma duas vezes e deu pelo menos onze tiros contra a vítima. A Polícia Civil trabalha com hipótese de crime passional e o suspeito diz não se arrepender.

Uma adolescente de 14 anos foi assassinada na manhã desta segunda-feira (6) dentro do colégio. O crime aconteceu na Escola Estadual 13 de Maio em Alexânia (GO), na Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno, a quase 90km de Brasília.

Rafaella Noviske, 16 anos, morreu no local. O suspeito é Misael Pereira Olair um jovem de 19, ex-aluno da escola. Detido pela Polícia Militar e levado à delegacia de Polícia Civil do município, ele teria invadido o colégio com um revólver calibre 32 e procurado a vítima pelas salas de aula.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼
Leia também:  Vem Brincar Comigo 2021: faça uma criança feliz e ganhe uma muda de planta

Ao encontrá-la, disparou cerca de onze tiros, todos em direção ao rosto da menina.

Segundo a investigadora Rafaela Wiezel, Misael disse, em entrevista prévia, que é conhecido “de longa data” da vítima e que sentia ódio. “Ele informou que adquiriu o revólver especificamente para matá-la e estava esperando justamente a aquisição para cometer o crime. Ele diz que não se arrepende., informou ao Jornal de Brasília.

Os dois teriam estudado juntos no ano passado, quando, interessado em namorar a menina, Misael teria tentado presenteá-la, mas não conseguiu. “Por isso trabalho com a linha de investigação de crime passional”, explicou a delegada. Ele entrou com o revólver completamente municiado, descarregou com tiros contra a vítima e recarregou a arma.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Segundo o próprio suspeito, teriam sido pelo menos onze disparos. Rafaela Wiezel diz que o homem parece lúcido e negou que tivesse consumido drogas ou álcool antes do crime.

Leia também:  Brasília é a terceira cidade na preferência dos brasileiros

Procurada, a Secretaria Estadual de Educação, Cultura e Esporte (Seduce) ainda não se pronunciou sobre o caso.

Jéssica Antunes
Jornal de Brasília

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *