Siga o Jornal de Brasília

Destaque

Dodge diz que Aloysio Nunes recebeu R$ 500 mil da Odebrecht

Avatar

Publicado

em

Em petição enviada ao Supremo Tribunal Federal (STF), a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, disse que o fato de o atual ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes (PSDB-SP), ter recebido R$ 500 mil da Odebrecht por meio de um esquema que financiou sua campanha nas eleições de 2010 é “incontroverso”.

“É fato incontroverso que houve o repasse de recursos para a campanha do senador Aloysio Nunes. Resta investigar a origem destes recursos e a finalidade do repasse”, escreveu a procuradora-geral ao relator do caso, ministro Gilmar Mendes. Esse repasse da empreiteira não aparece na prestação de contas que o tucano fez à Justiça Eleitoral nas eleições daquele ano. Em 2010, Aloysio disputou vaga no Senado.

A petição é desdobramento de um inquérito aberto em março pelo sucessor de Dodge na Procuradoria-geral da República, Rodrigo Janot, depois de dois delatores da Odebrecht terem admitido o pagamento a Aloysio para a PGR.  O senador José Serra (PSDB-SP) também é investigado no mesmo inquérito.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Dodge, no entanto, sinalizou que os tucanos devem sair impunes de parte das investigações, porque alguns crimes de que são acusados teriam acontecido antes de 2010 e, por isso, estariam prescritos. Apesar disso, a procuradora não pediu arquivamento dos inquéritos.

Na petição entregue ao STF, Dodge cita uma manifestação da defesa de Aloysio, segundo a qual dois dos delatores declararam à Polícia Federal que “as doações para a campanha não foram condicionadas à prática de ato de ofício em favor da empreiteira”.

Em nota, a assessoria de imprensa do ministro nega que o Aloysio tenha recebido qualquer repasse ilegal. “Conforme relato dos delatores, a empreiteira nunca condicionou a resolução de problemas envolvendo obras ao pagamento de vantagem indevida ou mesmo a realização de doação eleitoral”, diz o texto. “Por isso, não há que se falar em crime de corrupção, como será comprovado ao final do inquérito em curso”.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *