Paolla Oliveira é criticada por fantasia de índia

Paolla Oliveira, 35 anos, recebeu críticas de internautas após divulgar uma foto, no seu Instagram, em que aparece vestida com uma fantasia de índia para um baile de Carnaval.

A polêmica acontece em meio a uma campanha contra fantasias de índios divulgada nas redes sociais pela ativista indígena Katú, que criou a hashtag #índionãoéfantasia. 

“Cocar não é seu acessório de modinha, cocar é sagrado, é resistência. Podem chorar, podem ser ignorantes. Quem decide se é errado somos nós e não vocês”, escreveu Katú no Facebook.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Se você se preocupa com o tema da apropriação cultural, fique atenta a esses itens:

Religião

Os participantes da umbanda e do candomblé são muito perseguidos por causa de suas práticas religiosas, consideradas “erradas” por outros grupos. Por isso, usar os símbolos pertencentes a essas culturas como forma de fantasia pode ser desrespeitoso para quem frequenta tais religiões. O mesmo vale para ciganos, indianos, muçulmanos etc.

Cultura afro

Não é incomum encontrar pessoas vestidas da famosa “Nega Maluca“, com uma peruca blackpower, seios e bumbum postiços, fazendo uma alusão ao corpo da mulher negra, e, até, pintar a pele com tinta preta.

Tal prática é chamada de blackface: expressão criada no século 19, quando pessoas negras não podiam participar de peças teatrais e seus personagens eram representados por pessoas brancas, que pintavam os rostos com carvão e passavam batom vermelho para caracterizar, de forma depreciativa.

Cultura indígena

Nas tribos, o cocar é de uso apenas para ocasiões especiais. É conquistado por meio de atos de coragem, e as penas significam cada ato. Além disso, é também uma marca que remete ao respeito, porque nunca poderia ser usado sem o consentimento dos líderes da tribo. Já as pinturas corporais têm sentidos diversos, não somente na vaidade, mas pelos valores que são considerados e transmitidos através delas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

Cultura japonesa

Fantasias de gueixas e samurais, que são extremamente respeitados pela cultura japonesa. Pintar o rosto com tinta amarela e usar acessórios para deixar os olhos puxados é considerado yellowface: quando uma pessoa que não possui características asiáticas usa maquiagens para “fingir” que faz parte de tal cultura.

BDF na Rede

         

PUBLICIDADE

Outubro, 2018

Filtrar eventos

19out(out 19)19:0020(out 20)12:00Curso de Assessoria de Comunicação

19out23:0005:00Thalis & Welinton e Henrique & RuanShed Wetern Bar

19out(out 19)23:0020(out 20)05:00Baile da Pink com MC WM

20out13:0021:00Feira Festival do PastelParque da Cidade

20out23:0005:00SevennPink Elephant

21out13:0021:00Feira Festival do PastelParque da Cidade

PUBLICIDADE
X

Send this to a friend