Opala completa 50 anos e colecionadores de Brasília reúnem raridades

Opala

Carro deixou de ser fabricado em 1992. Evento na capital, neste domingo, terá ‘parabéns a você’ e telão para final da Copa do Mundo

O Opala, primeiro carro de luxo brasileiro a ser considerado “paixão nacional”, completa 50 anos e vai ganhar uma festa neste domingo (15), em Brasília. Com direito a “parabéns a você” e um telão para assistir à final da Copa do Mundo da Rússia, o Clube do Opala pretende reunir cerca de 200 colecionadores e suas máquinas.

De acordo com o presidente do clube, Marcelo Araújo de Freitas, além de exposição com vários modelos de Opala, haverá food trucks e muita brincadeira para as crianças durante todo o dia. “É um evento para famílias inteiras”, diz ele.

Opala
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Lançado oficialmente na abertura do VI Salão Internacional do Automóvel, em São Paulo, em novembro de 1968, o Opala já nasceu “causando”. O carro entrou no evento dirigido pelo piloto inglês de Fórmula 1 Stirling Moss. Como passageiras, havia oito misses.

Até 1992, quando deixou de ser fabricado, o Opala foi carro de presidente da República e altos executivos. Um sinônimo de luxo que chegou a ser o veículo mais caro do mercado nacional.

“Por isso mesmo, era um sonho de consumo difícil de ser alcançado”, afirma Freitas, que tem 41 anos e nasceu em Taguatinga, no DF. O presidente do Clube do Opala de Brasília conta que desde criança desejava o carro, mas só em 2016 conseguiu comprar um modelo 1992, da última série Diplomata, cor vinho.

Chevrolet Opala Diplomata Collectors 1992, em imagem de arquivo

Ele não revela quanto pagou pelo veículo, mas diz que hoje um carro de colecionador não sai por menos de R$ 60 mil. “Mas o preço de um Opala não tem limite”, afirma. Segundo Freitas, um associado do clube vendeu há pouco tempo, por R$ 170 mil, um Opala Diplomata Collector 1992.

“Era uma série limitada com 45 carros. Vinha com chaveiro banhado a ouro.”

Na família do empresário brasiliense, há outras raridades. A mulher dele dirige um Opala rosa-pantera 1973/74. O carro foi um presente dele para comemorar 20 anos de união do casal.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

O rosa-pantera também foi uma série limitada, em cor extravagante, feito especialmente para que os maridos agradassem as esposas com um carro de luxo. Mas na época, justamente por causa da cor, quem investiu relatou problemas na hora de revender.

Opala rosa-pantera foi entregue como presente de 20 anos de união. Foto: Arquivo pessoal

De acordo com a General Motors/Chevrolet, em quase 24 anos, cerca de 1 milhão de Opalas foram produzidos no Brasil. O carro entrou para a história como o primeiro a ser fabricado na unidade de São Caetano do Sul (região industrial do ABCD paulista) da montadora.

Em 1992, a GM abandonou a produção e substituiu o Opala pelo Omega, que utilizava tecnologia mais moderna. Mas os apaixonados continuam fiéis, garante Freitas. Na casa dele, por exemplo, os filhos de 4, 8 e 22 anos já sonham em ter um na garagem.

“Paixão de pai pra filho, é ferrugem na veia.”


Aniversário de 50 anos do Opala
Data: domingo, 15 de julho
Local: Clube do Opala de Brasília
Endereço: Placa da Mercedes, quadra 02/ lote 12
Horário: das 10h às 17h
Entrada gratuita

BDF na Rede

         

PUBLICIDADE

Outubro, 2018

Filtrar eventos

Sem eventos

PUBLICIDADE
X

Send this to a friend