Mercado pet brasileiro é o terceiro que mais fatura no mundo

Segmentos de alimentação, serviços e saúde voltados exclusivamente aos bichos de estimação são os principais motores da economia do setor. Para 2019, estima-se faturamento acima de R$ 22 bilhões, um aumento de 6,9% em relação a 2018

O mercado voltado para animais doméstico tem mostrado seu potencial a cada ano em todo o mundo. No Brasil, não é diferente. A população nacional de bichos é expressiva, são aproximadamente 132,4 milhões de animais de estimação, entre cães (52,2 milhões), gatos (22,1 milhões), aves (37,9 milhões), entre outros, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Tamanha relevância, acalorou o mercado segmentado e posicionou o país como o terceiro com o maior faturamento no setor, atrás apenas dos Estados Unidos e Reino Unido.

Só em 2017, o segmento pet movimentou 20,3 bilhões de reais, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (AbinPet). O crescimento em relação ao ano anterior foi de 7,9%, quando a movimentação foi de 18,9 bilhões. Os setores com maior destaque são os de PetFood (68,6%) e de PetServ (15,8%) – serviços voltados especialmente aos bichos. A área de saúde para os animais também aparece em destaque nos indicativos, na pesquisa, o PetVet respondeu a 7,9% do faturamento nacional no setor.

Criatividade e inovação

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Para manter diferenciais no segmento, que está competitivo, não param de surgir novas abordagens voltadas aos bichanos. De padarias especializadas até produtos personalizados apenas para os pets, a criatividade no setor o torna ainda mais atraente para o consumo, aumentando o potencial de mercado.

A pulverização do setor motivou até mesmo desenvolvedores brasileiros. Unindo a tecnologia ao cenário animal, eles apostaram em um aplicativo para facilitar a rotina de médicos veterinários. Bruno Ducatti é empreendedor, desenvolvedor de novos negócios do segmento digital e co-fundador do “Vet Smart”. São dois aplicativos, um voltado a cães e gatos, e outro a bovinos e equinos. No país, atualmente, as ferramentas são consideradas a principal solução tecnológica de apoio a tomada de decisão clínica e emergência e médicos veterinários.

Assim como a tecnologia mobile, o mercado pet é um dos nichos mais promissores do Brasil. “O aplicativo é mais que um bulário veterinário. Nele tem informações técnicas e atualizadas de milhares de produtos que fazem parte da rotina do médico veterinário. Além disso, disponibiliza outras ferramentas na plataforma, como transmissão de palestras de professores renomados, biblioteca de doenças e raças, e as calculadoras – que são 12, entre elas: idade do animal, gestação, necessidade energética diária – que auxiliam o especialista no atendimento”, descreve Ducatti, co-fundador do app que, em um ano de existência, tornou-se o aplicativo de veterinária mais baixado e acessado da América Latina e um dos maiores do mundo.

Além de facilidades advindas com a tecnologia, com a boa prospecção do setor pet outras atividades surgiram nos últimos anos. Entre as atividades criativas que estão em ascensão no setor, pode-se citar serviços como pet sitter, táxi pet e atendimentos de hospedagem especializado para cães e gatos.

Adicionar Comentário

Clique aqui para adicionar um comentário

dois × dois =

Siga o BDF na rede

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Send this to a friend