Ilusões de Vida

Texto de autoria de Elias Daher, colunista da coluna LiterArte de setembro de 2016 a junho de 2017

Francisco Otaviano

Quem passou pela vida em branca nuvem

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


E em plácido repouso adormeceu;

Quem não sentiu o frio da desgraça,

Quem passou pela vida e não sofreu,

Foi espectro de homem – não foi homem,

Só passou pela vida – não viveu

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

De acordo com o autor, viver não se resume a existir, pois nascer, viver e morrer é um ciclo, pelo qual, passam todos os seres vivos.

Além disso, para Otaviano, não se pode sentir o sabor da vida sem alguma dose de sofrimento. A dificuldade é um ingrediente que faz o indivíduo dar valor à vida. Este é o atributo principal da poesia: transmitir uma história por metáforas, por sutilezas.

Um texto que induz à reflexão. Influenciado por ele, Vinicius de Moraes escreveu a letra da música “Como dizia o poeta”

Quem já passou por essa vida e não viveu

pode ser mais, mas sabe menos do que eu

porque a vida só se dá pra quem se deu

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


pra quem amou pra quem chorou pra quem sofreu

ah

quem nunca curtiu uma paixão

nunca vai ter nada não

Ai de quem não rasga o coração

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


esse, não vai ter perdão


Texto de autoria de Elias Daher, colunista da coluna LiterArte de setembro de 2016 a junho de 2017

Adicionar Comentário

Clique aqui para adicionar um comentário

5 × quatro =

BDF na Rede

         

Sobre o Colunista

Paulo Souza, 28 anos, produtor cultural, editor e escritor. Possui publicado o livro ‘Ponto para ler contos’ (Kindle, 2016) e participou da ‘Antologia Sombria’ (Empíreo, 2017) e vários contos disponíveis no blog Ponto Para Ler. É criador e editor chefe do Ponto Para Ler e seu respectivo canal no YouTube em parceria com a Animars Produções.
Nasceu e vive em Brasília, cidade que ama.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Send this to a friend