Veja como foi a cerimônia de abertura do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro

Festival de Brasília

O Festival de Brasília do Cinema Brasileiro começou nesta sexta-feira (14/9) com a tradicional cerimônia de abertura para convidados

A solenidade de abertura foi conduzida pelos atores Chico Diaz e Letícia Sabatella, convocados especialmente para guiar o público à imersão na 51a edição do Festival. Na primeira noite do evento, estreia nas telas brasileiras o longa-metragem ‘Domingo’, de Clara Linhart e Fellipe Barbosa. O filme fez sua estreia mundial em 2 de setembro, durante a Mostra Competitiva Horizontes do Festival de Veneza, ganhou a primeira sessão no Brasil na abertura do Festival de Brasília.

O longa de ficção se passa no dia da primeira posse do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2003, e mostra o que parece ser um típico domingo, no qual duas famílias gaúchas almoçam em uma velha mansão. Segredos e frustrações se misturam a hormônios da adolescência, uma chuva repentina e uma caixinha de cocaína esquecida no armário da dona da casa. No elenco, o filme conta com Camila Morgado, Chay Suede e uma das homenageadas da noite, a veterana no Festival de Brasília, Ittala Nandi.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


A noite de abertura também teve a estreia do Prêmio Leila Diniz. A premiação foi criada com inspirações na memória da atriz que, embora tenha vivido apenas 27 anos, foi um importante nome do imaginário brasileiro, sendo considerada grande ícone da liberação feminina ante a secular opressão machista. Leila estrelou o filme ‘Todas as mulheres do mundo’, exibido em 1966 no Festival de Brasília, por onde passou como um furacão à época. O Prêmio Leila Diniz celebra o fortalecimento do feminino no cinema brasileiro e homenageia mulheres cruciais para o desenvolvimento do audiovisual nacional, seja na frente ou atrás das câmeras.

Quem recebeu o Prêmio Leila Diniz, nesta edição, foram Ittala Nandi e Cristina Amaral. Após importante trajetória no teatro, Ittala estreou como atriz no cinema com ‘O Bandido da Luz Vermelha’, de Rogério Sganzerla, filme que ganhou o prêmio principal do Festival de Brasília há exatos 50 anos. Além de vários outros papeis marcantes nos palcos, telas e na TV, a atriz também dirigiu documentários e trabalhou como produtora e dramaturga, tendo ainda sido professora e coordenadora de cursos de cinema.

Cristina Amaral aparece como premiada pela sua importância como montadora de cinema, carreira na qual atua há mais de 40 anos. Entre suas parcerias mais constantes e profícuas incluem-se trabalhos com Andrea Tonacci, Carlos Reichenbach e Edgard Navarro. Cristina recebeu inúmeros prêmios, inclusive o Candango em Brasília, por ‘Sua Excelência o Candidato’ e ‘Alma Corsária’.

Outro grande momento da cerimônia foi a entrega da medalha Paulo Emílio Sales Gomes que, em sua terceira edição, foi concedida aos mestres Ismail Xavier e Walter Mello.

A noite de 14 de setembro também marcou a abertura da exposição Momento em Movimento, de Mila Petrillo. A coletânea faz parte do projeto Por outras lentes e apresenta registros de grandes personagens do cinema nacional que passaram pelo Festival de Brasília desde a década de 1980, registrados pelas lentes cuidadosas desta, que é uma das mais célebres fotógrafas radicadas no Distrito Federal. A exposição funcionará das 10h à 0h, na área externa do Cine Brasília.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

Veja como foi a noite

Adicionar Comentário

Clique aqui para adicionar um comentário

catorze + 18 =

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Send this to a friend