Coworking: espaços compartilhados para trabalhar, cooperar e realizar

#SérieEconomiaCriativa

Na segunda reportagem sobre Economia Criativa, a coluna Consumo Consciente aborda o coworking. A nova forma de pensar o ambiente de trabalho surgiu alinhada à Economia Criativa e tem revolucionado a forma com que pequenas empresas, profissionais freelancers e autônomos se relacionam entre si, com os fornecedores e os clientes.

Os coworkings seguem as tendências do freelancing e startups e reúnem diariamente milhares de pessoas interessadas em trabalhar em um ambiente inspirador. O site Coworking Brasil realizou um levantamento dessa nova modalidade de trabalho e lançou o Censo 2016, que revela que em 2016 havia 378 espaços ativos no Brasil.

São Paulo lidera o ranking, com 148 coworkings e crescimento de 56% em relação a 2015. O Distrito Federal aparece em sétimo lugar, com 11 espaços e pulo de 175% na comparação com 2015. Em todo o Brasil, revela o Censo 2016, há 10 mil posições de trabalho alinhadas ao modelo de coworking e a média de 57 coworkers por espaço.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


O modelo de coworking nasceu em 2005 no Vale do Silício [Silicon Valley, na Califórnia, Estados Unidos, que abriga um conjunto de empresas desde a década de 1950 para gerar inovações científicas e tecnológicas]. Essa forma de trabalho foi fruto da necessidade de um novo arranjo, que repensou as relações de trabalho. Nada impede, porém, que atividades da Economia Tradicional compartilhem espaços de trabalho, como advogados, economistas e contadores, por exemplo.

O Espaço Multiplicidade atua no segmento de coworking no Distrito Federal e tem como parceiros a CACB (Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil Associação), o IMA (Instituto Mercadológico das Américas), a Certisign, Anprotec (Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores) e Asteps (Associação de Startups e Empreendedores Digitais). O local abriga 60 empreendedores, entre eles o jornalista Eldo Gomes, a Associação Brasiliense de Foodtrucks (ABFoodtrucks) e a Sobrescrita.

A administradora de empresas Cristiane Pereira, 43, é sócia do Multiplicidade, veio de Sorocaba (SP) para Brasília aos 2 anos de idade e se considera brasiliense. Ela conta que o coworking sempre promove encontros, como o Terça Múltipla, quando palestrantes convidados falam sobre temas variados. “A proposta é ceder o espaço, o palestrante e o conhecimento. Quem vem, doa um quilo de alimento não-perecível para uma instituição de caridade”, descreve.

O Multiplicidade recebe ainda iniciativas como encontro mensal de desenvolvedores PHP, Café com Política e outros. Há ainda uma rede social exclusiva para os coworkers [empreendedores que participam de um coworking]. Empreendedores do Multiplicidade se conheceram lá e, cada um dentro de sua especialidade, se uniram e criaram uma startup. Um advogado, um webdesigner e um profissional de logística criaram a Mundo São, que conecta produtores rurais a consumidores e consumidoras.

“Nossos parceiros podem contribuir com o ecossistema do Multiplicidade dando descontos em seus produtos, indicando profissionais ou negócios, fomentando ações conjuntas conosco.”
Cristiane Pereira, Espaço Multiplicidade

O Co-Piloto é outro empreendimento de coworking no Quadradinho dirigido pela empreendedora Heloísa Rocha, 51, paulistana de nascimento e brasiliense de alma e coração. O negócio está focado em empreendimentos alinhados à Economia Criativa, mas a sócia faz questão de ressaltar que Economia Criativa não se trata de uma cultura alternativa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

“A Economia Criativa é a nossa vocação e a gestão do espaço valoriza e capacita os profissionais desta área”, comenta Heloísa. Os parceiros – ou embarcados, como são chamados – são de diversas áreas da Economia Criativa, segmentada em quatro categorias e 13 segmentos: Consumo (Design, Arquitetura, Moda e Publicidade), Mídias (Editorial e Audiovisual), Cultura (Patrimônio e Artes, Música, Artes Cênicas e Expressões Culturais) e Tecnologia (Pesquisa &Desenvolvimento, Biotecnologia e Tecnologias da Informação e Comunicação).

“Economia Criativa não é uma novidade e, em muitos casos, são áreas da economia tradicional. Talvez não estejamos vivendo um crescimento, mas uma valorização destes segmentos, em função do tipo de habilidades e atitudes que são mais valorizadas hoje em dia pelas gerações que estão no mercado de trabalho”.
Heloísa Rocha, Co-Piloto

O Co-Piloto acaba de lançar um programa de mentorias ágeis em conjunto com a Nous Cultura Creativa. Trata-se do Napkin Talk, dirigido a empreendedores iniciantes tirarem ideias do papel. Antes, o programa era realizado em eventos mas passou a ser fixo no Co-Piloto. “Mas o que as pessoas que trabalham aqui mais destacam são as pequenas colaborações diárias entre os profissionais. Isso torna o ambiente rico em interações e crescimento profissional e pessoal”, finaliza Heloísa.

Um dos embarcados no Co-Piloto é a Maiê Lab School, que embora seja uma iniciativa educacional, cabe perfeitamente em duas categorias da Economia Criativa: Cultura, como expressão cultural, e Tecnologia, com altas doses de inovação. Por meio de cursos, mentorias, processos seletivos diferenciados para empresas, palestras e workshops, plataformas digitais e serviços especializados. A experiência é voltada para jovens entre 13 e 25 anos e pode ser uma porta para o futuro.

Ou não, como diria Caetano Veloso. Porque a Maiê é uma escola livre, e para entrar lá é preciso estar sincronizado com o Youth Mode, movimento que encara a juventude como uma forma de agir e não pela idade. “Não é necessário frequentar uma universidade, ouvir Red Hot Chilli Peppers ou usar All Star. Ter entre 13 e 25 anos também não te garante estar em Youth Mode”, sintetiza a apresentação da Maiê no Facebook.

O administrador de empresas Marcus Edrisse, 48, empreendedor da Maiê, é rondoniense, criado em Fortaleza e morador de Brasília há 34 anos. Ele comenta que tudo que a escola faz inclui ações que coloquem os jovens diante de possibilidades futuras. “Normalmente gosto de provocar questionamentos que tirem as pessoas das caixinhas em que elas são colocadas ou se colocam. Isso inclui em classificar como jovem quem não tem mais 25 anos”, conta.

“Temos como proposta facilitar a conexão do jovem com o futuro. Ofereceremos soluções contemporâneas, inovadoras e criativas que propiciam o elo entre qualquer pessoa em Youth Mode e suas ambições acadêmicas, profissionais e pessoais.”
Marcus Edrisse, Maiê Lab School

Também são embarcados no Co-Piloto a Pilotis Arquitetura, Rentiis, Adriana Nunes Arquitetura, Farfetch, Integrah, Agência Value, e ainda profissionais autônomos das áreas de fotografia, tecnologia, design, jornalismo, educação, comunicação, mídias sociais…

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Outro exemplo de coworking brasiliense é o noSSo, um estúdio de design nascido do sonho e do desenho dos destinos de duas joalheiras, a arquiteta Nazareth Pinheiro, 44, e a designer gráfica Flavia Amadeu, 38. A oficina de joia é um chão de fábrica: tem cheiros, poeira, sons de máquinas e muita, muita criatividade. Um lugar para reunir pessoas para fazer coisas com as mãos.

O noSSo abriu as portas em janeiro deste ano para ser um coworking e espaço vivo, com criação e execução de peças, momentos de aprendizagem com workshops e cursos e de prática com o aluguel de bancadas de trabalho. Os interessados podem utilizar o espaço por períodos de três horas e com todo o ferramental necessário para execução das peças.  [Conheça mais sobre essa história em matéria na Consumo Consciente].

“Dentro de uma proposta de design e significado, o noSSo é dedicado a aprender, criar, receber, mostrar, trocar e conectar.”
Nazareth Pinheiro, noSSo

 ” Às vezes a pessoa não sabe se quer seguir por esse caminho de produção de joias e acessórios; em outras é apenas um hobby.”
Flavia Amadeu, noSSo


Serviço

Espaço Multiplicidade
SCRN 702/3 – Bloco G – Lojas 46/47 – Asa Norte
(61) 3202-8270
www.espacomultiplicidade.com.br

Co-Piloto
CLS 306 Bloco A Loja 33 Sobreloja – Asa Sul
61 3256 9003
[email protected]
co-piloto.me

Maiê Lab School
CLS 306 Bloco A Loja 33 Sobreloja – Asa Sul
61 9926-6166
www.maie.me

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


noSSo
SEPS 705/905 Bloco B Sala 13 – Centro Empresarial Asa Sul – Asa Sul
(61) 98162-1988
www.nossoestudiodesign.com.br

Saiba mais

Coworking Brasil
Uptudate or die
Box 1824

Adicionar Comentário

Clique aqui para adicionar um comentário

três × um =

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Send this to a friend