Siga o Jornal de Brasília

Consumo Consciente

Cozinhando Luz: esculturas em parafina

Avatar

Publicado

em

A Cozinhando Luz constrói, desconstrói, reconstrói e cria formas abstratas de forma artesanal, a partir de matérias-primas variadas, tendo a parafina como base e dando importância aos elementos da natureza.

A artesã Walkíria Monteiro, 54, licenciada em artes visuais e com formação em arteterapia, deu início a esse empreendimento na virada do século, há 17 anos em Pirenópolis (GO). “Sempre sozinha. É um trabalho espiritual pra mim”.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

À época que começou a jornada de cozinhar luz, recebeu orientação de uma amiga sobre a forma de utilizar a parafina. As informações acenderam nela o desejo de experimentar. “São muitos os experimentos, dada as inúmeras possibilidades que a parafina oferece”, observa.

Walkíria nasceu em Anápolis (GO) e, desde os 12 anos, mora em Brasília. Ela comenta ter a impressão de que o interesse pelas velas foi aflorado do inconsciente e trouxe à tona as recordações da infância. “Tive contato precocemente com a culinária, por volta dos 7 anos, quando cozinhava para meus avós. À época, morávamos na roça, sem luz elétrica”, recorda.

Desde criança, a artesã gosta de brincar com fogo e imagina que as velas sejam memórias da alquimia da culinária. “Considero de grande importância gostar de cozinhar para também gostar de fazer velas”, pondera.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

As primeiras velas de Walkíria foram vendidas por acaso. Uma arquiteta visitou o ateliê no qual produzia adobe [tijolos de terra crua, água e palha ou outras fibras naturais] e viu as peças da artesã. “Ela perguntou se estavam à venda. Respondi que não tinha pensado em comercializá-las, mas com o grande interesse dela, disse um preço qualquer e ela levou todas”, relembra.

O processo de produção de Walkíria tem como matéria-prima, principalmente, restos de velas queimadas em igrejas e festas. O próprio objeto que produz é reciclável. Ela cria peças únicas das quais recicla o pavio para que sejam reutilizadas e possam ter vida longa.

A artista confessa ter muita dificuldade no aspecto da comercialização. Ela vende quando expõe as peças, quando a procuram pela internet ou no ateliê do Lourenço de Bem. “Sou uma amadora, apesar dos 17 anos de trabalho”, diz.

▼ CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ▼

Que tal transformar a Walkíria em uma expert em vendas e espalhar o trabalho lindo dela por aí?

Serviço
Cozinhando Luz
Ateliê Lourenço de Bem
www.atelierlourencodebem.com.br
(61) 3409-1453
[email protected]

 

 

 

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *