Rodrigo Maia atira contra governo Bolsonaro e atiça a caserna

Rodrigo Maia

Após declarações polêmicas contra o governo, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia atiça militares e palacianos que reagiram pedindo o “Fora DEM”

Nesta quarta-feira (20) o presidente da Câmara Rodrigo Maia resolveu dar uma basta na pressão que vinha sofrendo para colocar para andar o pacote anticrime do ministro da Justiça, Sérgio Moro.

Ao que tudo indica a reação foi maior que a esperada e o presidente da Câmara colocou o ministro da Justiça numa saia pra lá de justa. 

“O projeto é importante. Aliás ele tá copiando o projeto do ministro Alexandre de Moraes. Copia e cola. Então, não tem nenhuma novidade. Poucas novidades no projeto dele. Nós vamos apensar um ao outro. O projeto prioritário é o do ministro Alexandre de Moraes”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


O presidente da Câmara foi além, para Maia o ministro da Justiça Sergio Moro tem de conter a ansiedade e fez questão de lembrar que o diálogo é entre poderes.

“Eu acho que ele conhece pouco a política. Eu sou presidente da Câmara, ele é ministro, funcionário do presidente Bolsonaro. O presidente Bolsonaro é que tem que dialogar comigo. Ele está confundindo as bolas. Ele não é presidente da República. Ele não foi eleito para isso. Está ficando uma situação ruim para ele, porque ele tá passando daquilo que é a responsabilidade dele”

Não é de hoje que as pressões advindas das pautas do governo tiram o sono de Rodrigo Maia, na questão da Previdência, o presidente da Câmara conseguiu mexer num vespeiro, justamente os militares.

Uma declaração desastrosa na questão dos militares na reforma da Previdência desagradou em cheio os militares da reserva e da ativa, sem falar grande parte do Palácio do Planalto .

“O problema é que nós estamos no fim da festa, o Brasil quebrou e eles estão querendo entrar nessa festa no finalzinho, quando já está amanhecendo, a música já está acabando e não tem ninguém para dançar”

“Então é preciso analisar como compensá-los de alguma forma sem sinalizar para o Brasil que estamos empurrando essa festa por mais alguns anos, com o estado já quebrado”

A reação foi mediata. Em Brasília o general Paulo Chagas, que foi a grande surpresa na corrida eleitoral pelo Palácio do Buriti se apresentou na primeira hora para defender os militares e cobrar do presidente da Câmara, no minimo mais cordialidade.

Longe das discussões, o presidente Jair Bolsonaro ao chegar de viagem dos Estados Unidos, se encontrou com Maia para tratar da previdência dos militares e já está no Chile.  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

Adicionar Comentário

Clique aqui para adicionar um comentário

treze − quatro =

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Send this to a friend