Sheyla Sampaio: quem vê cara, não vê patente

A indicação da Coronel Sheyla Sampaio para o Comando Geral da Polícia Militar do Distrito Federal mexeu com o coronelato machista da ativa e os de pijama.

O governador eleito, Ibaneis Rocha escolheu a coronel Sheyla após analisar a trajetória e o perfil da militar. Nesta sexta-feira (16) a competente coronel mostrou porque foi escolhida.

Sheyla Sampaio conduzia seu veículo particular acompanhada de sua mãe e filho, quando uma viatura da PM lhe abordou em tom arbitrário e abusivo, com palavras de baixo calão, sem perceber que se tratava de uma coronel e futura comandante geral da tropa.

“Passa pra lá porra” foram algumas das palavras proferidas pela policial aos berros numa demonstração clara de abuso de autoridade e truculência.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


A coronel cobrou dos colegas que a abordaram, respeito e consideração pelas pessoas. Sem se identificar, mas logo após chegou reforço policial chamado pela viatura e um oficial perguntou se a coronel sabia onde ficava o quartel, aí sim Sheyla Sampaio se identificou dizendo ser coronel e dirigiu ao quartel para registrar o ocorrido, buscando a punição dos PMs arbitrários.

Sheyla pôde sentir na pele o abuso de autoridade. A futura comandante, conforme matérias anteriores se comporta como uma pessoa comum quando está à paisana.

De acordo depoimentos de oficiais no quartel ela atua com punhos de aço mantendo a ordem e disciplina. O governador eleito Ibaneis Rocha recebeu o vídeo postado nas redes sociais e aprovou a atitude da comandante, que com autoridade cobrou o abuso de seus futuros comandados.

O episódio, ocorrido há cerca de quatro meses, resultou na abertura de uma sindicância no Comando de Policiamento Regional Metropolitano (CPRM) para apurar os fatos. Os policiais tiveram de se apresentar ao quartel. Essa investigação foi remetida à Corregedoria-Geral da Polícia Militar, que avalia o caso. Os policiais podem sofrer punição administrativa por transgressão disciplinar, que seria uma advertência.

O comando da PM confirmou a existência da sindicância e disse que o evento está em apuração.
A coronel Sheyla afirmou que o assunto realmente foi apurado em sindicância e o processo contém sua versão sobre o ocorrido.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

Assista ao vídeo a baixo:

BDF na Rede

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Send this to a friend