Passarelas aéreas são revitalizadas

Vinte e duas travessias passaram por serviços que contemplam desde a restauração total da estrutura à pintura dos elevados. Uma na EPTG, porém, foi alvo de vândalos

O Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal (DER/DF) iniciou, há seis meses, o serviço de restauração e manutenção de 56 passarelas aéreas que estão situadas nas rodovias distritais. As obras compreendem os serviços de restauração de piso, rampas, alambrados e manutenção de pintura. O valor investido neste serviço é de R$ 4,3 milhões.

Até o momento, quatro passarelas já tiveram os serviços concluídos, da restauração à pintura: as três primeiras da EPTG (Estrada Parque Taguatinga / DF-085), no sentido Taguatinga / Plano Piloto; e uma na EPNB (Estrada Parque Núcleo Bandeirante / DF-075), em frente ao Paraíba Carne de Sol. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


O estudante Henrique Marques, de 19 anos, morador do Núcleo Bandeirante, atravessa todos os dias a rodovia para cumprir as horas de estágio em uma empresa no Bernardo Sayão. O jovem relata que tanto ele quanto os pais estão aliviados desde que a passagem foi reformada. “Antes dessa restauração, eu tinha medo de passar por ela e preferia atravessar correndo a pista. Meus pais só ficavam em paz quando eu chegava em casa”, contou o jovem. 

Candangolândia – Foto: Renato Araújo/Agência Brasíia

Dezoito outras passarelas já passaram por restauração da estrutura e agora estão na última fase dos serviços, que é a pintura: duas na DF-003 (Epia Sul), uma em frente à Candangolândia e outra em frente à Concessionária Fiat; uma na DF-011 (EPIG), próximo à Octogonal; 14 passarelas na DF-085 (EPTG) e uma na DF-095 (EPCL), na Estrutural. 

Em todas elas foram realizados os serviços de reforço nos perfis metálicos, reparos em fissuras de concreto no piso e troca ou reposição de guarda-corpo e telas metálicas. 

Octogonal – Foto: Renato Araújo/Agência Brasília

A dona de casa Ângela Brito leva seus dois filhos para a escola diariamente e utiliza a passarela da Candangolândia. Ela relata que mesmo quando a passagem estava em péssimo estado, ela não tinha outra alternativa a não ser utilizá-la, porque a via é muito movimentada (Epia Sul). “Por segurança das crianças eu usava, mesmo com medo de sofrer algum machucado ou algo assim. Mas agora que já está quase toda reformada, me sinto bem mais segura para usá-la com meus filhos”, destacou. 


Vandalismo

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 
Pichação na obra da EPTG – Foto: Renato Araújo/Agência Brasília


A revitalização das passarelas é um serviço de manutenção constante e traz beleza à cidade e segurança aos pedestres das rodovias distritais. Entretanto, nem todos os cidadãos têm compreensão social para zelar por essas travessias. As últimas passarelas a terem os serviços concluídos já foram pichadas. O diretor-geral do DER, Fauzi Nacfur Junior, expressou seu desapontamento ao ver a situação em que as passarelas recém-revitalizadas da EPTG se encontram. “O cidadão precisa ter consciência de que é caro realizar um serviço deste porte, de reforma de quase 60 passagens, e que cada centavo sai do bolso do contribuinte. O DER, como órgão público, tem a obrigação de fazer a manutenção, mas o cidadão também tem a obrigação de zelar pelo bem público”, desabafou.

Adicionar Comentário

Clique aqui para adicionar um comentário

17 + oito =

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Send this to a friend