O que influencia suas decisões financeiras?

O que influencia suas decisões financeiras?

Saiba o que exerce influencia no seu modelo de consumo

Muito se fala do marketing e das estratégias utilizadas pela mídia para ativar uma mudança em nosso comportamento de consumo. Mas será mesmo que só eles é que são os vilões dessa história? Quando for consumir alguma coisa, preste atenção na razão desta sua compra! Confira comigo o artigo de hoje!

O que influencia suas decisões financeiras?

Por Ana Luiza Marinho

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Há muitas formas de olhar para o dinheiro. Uma delas é sob a ótica da psicologia social, que por definição é a ciência da influência social, ou seja, da maneira como influenciamos e somos influenciados por outras pessoas. Você pode não se dar conta, mas até mesmo em situações em que está sozinho, o jeito como você se comporta é fruto da participação de uma ou mais pessoas em sua vida. No uso do dinheiro, não poderia ser diferente… e se você atribuía ao marketing a responsabilidade pelo consumismo no planeta, saiba que essa é apenas uma fatia de uma pizza maior e complexa, que leva em conta inúmeros fatores – alguns deles, enumerados a seguir:

Grupo social

Não é coincidência quando um grupo de amigas anda com bolsas ou roupas muito parecidas, pois uma das principais promessas do consumo é a sensação de pertencimento. Esse tipo de influência é tão forte que há marcas que deixaram de fazer grandes campanhas publicitárias para apresentarem seus produtos, como uma nova bebida, em festas de pessoas influentes. Veja a força do grupo: quando um destoa do conjunto, costuma ser criticado. Um exemplo pode ser o de alguém que está construindo a própria independência financeira e passa a dar menos valor ao consumo para mero conforto. Com o tempo, essa pessoa tende a ser taxada de “pão duro” ou até mesmo alguém que não está aproveitando a vida.

Cultura

Como cultura, entenda um conjunto amplo que abarca diferentes etnias e religiões, em diversas regiões do mundo. Observe as peculiaridades de cada uma delas nos hábitos e nas escolhas de consumo, desde a alimentação à forma de se vestir, às músicas e aos livros que aprecia, acessórios e objetos que portam… Para se ter ideia do impacto da cultura no uso do dinheiro, há pesquisas – e até mesmo palestras no TEDx (https://www.youtube.com/user/TEDxTalks) – que mostram a relação entre a língua (idioma) e o hábito de economizar.

Em culturas mais orientadas para o futuro, ou seja, em que o pensamento no longo prazo é incentivado, como no Japão, poupar é natural. Outro caso: pais de classe média nos Estados Unidos poupam para a faculdade dos filhos. Aqui não se deve entrar em julgamentos, mas, no Brasil, há pais de classe média que fazem festas de aniversário tão caras para os filhos que, se essas quantias fossem reservadas anualmente, seriam suficientes para bancar uma faculdade no exterior. Nesse sentido, vale a pena conhecer novas culturas e olhares, para rever as próprias escolhas financeiras.

Valores e crenças

Pais, professores e até mesmo celebridades, em alguns casos, são figuras de autoridade que exercem um papel determinante em nossos valores de vida. Esses valores, por sua vez, impactam nas tomadas de decisões financeiras. Um pessoa que abomina o plágio não compra produtos piratas, por exemplo, pois há uma expectativa de coerência entre as escolhas de consumo e o que importa para esse consumidor.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

Além de reforçar os próprios valores com as compras, as pessoas gerenciam sua imagem a partir de suas decisões de consumo. No fundo, todos querem passar determinada impressão. Até mesmo o hábito de investir dinheiro ou de não consumir podem ser atos ligados a esse gerenciamento de imagem. Ninguém está isento a isso, até mesmo porque as marcas hoje não vendem apenas produtos e serviços, mas também valores e estilos de vida utilizados para criar conexão com seu público.

Uma forma de evitar decisões ruins decorrentes dessa enxurrada de influências é ter clareza dos próprios objetivos e exercitar o autocontrole. Por sinal, há psicólogos sociais que investigam o autocontrole há décadas e têm respostas que ajudam a quem quer melhorar nesse aspecto. Esse pode ser o tema do próximo artigo.

Minha missão é ajudar pessoas a superarem obstáculos e desafios através do planejamento e da inteligência financeira!
Saiba mais no Instagram: @valorizeseusonho
Bom final de semana!
Rafael Rico


Ana Luiza Marinho é mestre em Psicologia Social pela UnB e coach financeira. Recomenda o site do grupo de pesquisa Influência (http://influencia.unb.br), coordenado pelo prof. Dr. Fabio Iglesias, para quem se interessou pelo tema.

Adicionar Comentário

Clique aqui para adicionar um comentário

13 − onze =

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Send this to a friend