Grupo da Diversidade, no centro de saúde da 605 Sul, apoia adolescentes LGBT

Serviço no Adolescentro atende 18 jovens em processo de transição. Parentes que têm dificuldade para lidar com questões de sexualidade dos filhos também podem receber ajuda

“Eu sempre soube que tinha algo errado. Há três anos, comecei a pesquisar e compreendi quando vi que outras pessoas passam pela mesma situação. Então eu falei para a minha mãe que, na verdade, sou um menino”, compartilhou o jovem de 15 anos — que nasceu com características biológicas femininas — em reunião do Grupo da Diversidade, do Adolescentro.

Voltado para atender jovens de 12 a 18 anos que têm questões relacionadas à sexualidade LGBT, o grupo atende atualmente 18 adolescentes em processo de transição.Mesmo com o reconhecimento, ele só aceitou que precisava passar pelo processo de transição quando começou a frequentar o grupo. “Achei que ia melhorar por entender, mas só piorava por não fazer nada. Era como se eu usasse uma fantasia ridícula todos os dias.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


“Temos uma equipe aqui para dar atenção a esses meninos e meninas. Só três serviços no Brasil fazem atendimento para jovens nesse quadro. Além de nós, um fica em São Paulo, e o outro, em Porto Alegre”, explica o médico sanitarista da Secretaria de Saúde lotado no Adolescentro, Luiz Fernando Marques, fundador do grupo.

Serviço no Adolescentro atende 18 jovens em processo de transição. Parentes que têm dificuldade para lidar com questões de sexualidade dos filhos também podem receber ajudaSegundo ele, em um atendimento biopsicossocial, profissionais de várias áreas fazem consultas separadas com os pacientes para, depois, discutir os melhores encaminhamentos.

O Grupo da Diversidade reúne-se quinzenalmente às quartas-feiras, das 14 às 16 horas, no Adolescentro, nome dado ao Centro de Saúde da 605 Sul

O Grupo da Diversidade também funciona como apoio para os médicos do Adolescentro que encontram jovens com dificuldades relacionadas à sexualidade. Dessa forma, entendem melhor os problemas físicos e de saúde dos pacientes e podem dar um tratamento mais específico para cada um.

Criado em dezembro de 2015, o Grupo da Diversidade foi importante para outra participante, de 15 anos. “Passei por consultas com psicólogos, e ninguém conseguia me ajudar, até descobrir o grupo.”

Ela foi acompanhar uma amiga, de 17 anos, que descobriu o Grupo da Diversidade ao se abrir com uma enfermeira do Adolescentro sobre as dúvidas que tinha. “Aqui a gente aprende muito sobre a gente e sobre o mundo LGBT. Soubemos sobre o Ambulatório Trans por meio do grupo”, conta.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

As duas amigas tiveram dificuldade para se compreenderem quando descobriram que não sentiam atração por homens, apenas por mulheres.

O Grupo da Diversidade reúne-se quinzenalmente às quartas-feiras, das 14 às 16 horas, no Centro de Saúde da 605 Sul, Lotes 33/34. Para participar, basta ir ao local, também chamado de Adolescentro, em busca de informações.

Grupo da Diversidade foi reconhecido em prêmio da Secretaria da Saúde

Em maio deste ano, o Grupo da Diversidade ficou em segundo lugar no 1º Concurso de Boas Práticas em Atenção Psicossocial, promovido pela Secretaria de Saúde, na categoria de Infância e Juventude.

“Concorremos com outras dezenas de práticas em Brasília e fomos reconhecidos. O que tratamos é a saúde desses jovens e de seus responsáveis”, resume o fundador do Grupo da Diversidade.

Marques diz que a descoberta da sexualidade dos adolescentes também pode ser um choque para os pais. Por isso, o Adolescentro, assim como o Grupo da Diversidade, também pode receber e atender os parentes.

A jovem de 17 anos justifica a importância dessa prática. “Minha mãe achou que era brincadeira quando assumi. Com o grupo, ela aprende cada vez mais a respeitar, mesmo que ainda não aceite.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


O rapaz de 15 anos concorda com a colega de grupo. “Ninguém é obrigado a aceitar nada, mas nossos pais precisam respeitar. Nessa sociedade, até a gente tem preconceito. Nossos pais estão tão perdidos quanto nós.”

Adolescentro tem foco em saúde mental, dificuldade de aprendizagem e violência sexual

O Centro de Referência, Pesquisa, Capacitação e Atenção ao Adolescente em Família, outro nome para o Adolescentro, tem como objetivo atender jovens com foco em saúde mental, dificuldade de aprendizagem e violência sexual.

A unidade completou 19 anos de funcionamento em 2017, quando o número de atendimentos aumentou. “De uma média de 3,5 mil adolescentes por mês, fomos para mais de 5 mil em janeiro”, calcula a gerente do Adolescentro e médica pediatra da Secretaria de Saúde, Ana Paula Tayama.

Para melhorar o serviço, quando as celebrações do aniversário do centro ocorreram em setembro, foram promovidas palestras e apresentações de dissertações.

O Adolescentro atende nas áreas de:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


  • Assistência social
  • Farmácia
  • Fonoaudiologia
  • Ginecologia
  • Neuropediatria
  • Nutrição
  • Odontologia
  • Pediatria
  • Psicologia
  • Psiquiatria
  • Terapia ocupacional
VINÍCIUS BRANDÃO, COM EDIÇÃO DE MARINA MERCANTE
AGÊNCIA BRASÍLIA

BDF na Rede

         

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Dezembro, 2017

Filtrar eventos

16dez(dez 16)22:0017(dez 17)22:00Festa das Patroas Brasília com Maiara & Maraisa e Marilia Mendonça

X

Send this to a friend