Como se faz um poema?

Poema
Texto de autoria de Elias Daher, colunista da coluna LiterArte de setembro de 2016 a junho de 2017

Rima


Rima é uma homofonia utilizada para repetir sons em um texto literário.São classificadas conforme sua posição no texto, sonoridade, entre outros aspectos

Quanto ao valor
PobresRimas entre palavras de mesma classe gramatical
Há muito o que viver, e nada para explicar
Amor sem começo… e sem hora de acabar
RicasQuando acontecem entre palavras de classes gramaticais diferentes
Com a força da camisa
E a delicadeza do cristal
nunca tinha visto um igual
Preciosas ou rarasEntre palavras de difícil combinação
Por dentro, a múmia,
E o silêncio que resume-a

 

Quanto a sonoridade
PerfeitasCompleta identidade dos sons (homofonia)
Tu és, divina e graciosa
majestosa
ImperfeitasHá uma sutil diferença entre os sons
Os lábios, temperados de sal
A pele, morena de sol
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

Quanto a posição na estrofe (onde ocorre a ressonância)
Tipo de rimaRepresentaçãoConceito
EmparelhadaAABBO primeiro verso rima com o segundo
O terceiro rima com o quarto
CruzadaABABO primeiro verso rima com o terceiro
O segundo rima com o quarto
InterpoladaABBAO primeiro verso rima com o quarto
O segundo rima com o terceiro

 

Quanto a posição no verso
ExternasQuando a rima acontece no final do verso
Eis-me aqui em Portugal,
terra onde nasci,
por muito que goste dela,
ainda gosto mais de ti
InternasOcorrem no início do verso
Sonhar mais um sonho impossível
Lutar quando é fácil ceder

Métrica


Os versos devem ter a mesma quantidade de sílabas (métrica). Veja um trecho da música “Com açúcar, com afeto” de autoria de Chico Buarque de Hollanda

 

12345678
comaçúcarcomafeto
fizseudocepredileto
pravopararemcasa

Pela beleza da música, parece não haver compromisso com a métrica, no entanto o poema foi idealizado com precisão matemática.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

Estrofes


Estrofe é um conjunto estruturado de versos, que se classifica conforme o número de linhas

Tipo de estrofe

Quantidade de versos
Monóstico1
Dístico2
Terceto3
Quarteto ou quadra4
Quintilha5
Sextilha6
Sétima7
Oitava8
Nona9
Décima10
Irregular

11 ou mais

A quantidade de estrofes, determina a qualidade do texto literário:

Sonetopoema formado por dois quartetos e dois tercetos, com versos  decassílabos e conteúdo lírico (Admite-se variações, como por exemplo, três quartetos e dois dísticos)
Baladapoema formado por três oitavas e uma quadra;
Rondelpoema formado por duas quadras e uma quintilha;

 

Soneto


Tipo de poesia com 14 versos, organizados em dois quartetos e dois tercetos (Petrarquiano). Admite-se também a disposição de  três quartetos e um dístico (criado por William Shakespeare), e ainda, a disposição dos versos em corpo único (Monostrófico). Vinícius de Moraes e Augusto dos Anjos foram grandes expoentes em sonetos de língua portuguesa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Haicai


O Haicai surgiu no Japão, com foco na concisão e na objetividade. Afrânio Peixoto foi o primeiro brasileiro a produzir um haicai em 1919. A rigor, o haicai é um poema de três linhas e 17 sílabas assim distribuídas: 5 sílabas na primeira linha, 7 na segunda e 5 na terceira.

Geralmente, o haicai registra um momento ou sensação, e está sempre relacionado com os fenômenos da natureza.

no despenhadeiro
a sombra da pedra
cai primeiro

Carlos Seabra

Indriso


Variação do soneto, criada pelo espanhol Isidro Iturat, espanhol, em 2001. É composto por dois tercetos e duas estrofes de verso único (monósticos).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Luna Menguante

El centauro se asoma por la ventana
y la mujer dormida está hablando en sueños.
Llora y ríe, porque un centauro la rapta.

Cabalga en su sueño la mujer dormida,
cabalga en su sueño y es cabalgada.
En la selva, nadie la oye cuando chilla.

Llora y ríe como nunca en su vigilia.
El centauro la mira… por la ventana.

Isidro Iturat

Redondilha


Poema de origem espanhola, com estrofes de cinco (redondilha menor) ou sete sílabas (redondilha maior)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

BDF na Rede

         

Sobre o Colunista

Paulo Souza, 28 anos, produtor cultural, editor e escritor. Possui publicado o livro ‘Ponto para ler contos’ (Kindle, 2016) e participou da ‘Antologia Sombria’ (Empíreo, 2017) e vários contos disponíveis no blog Ponto Para Ler. É criador e editor chefe do Ponto Para Ler e seu respectivo canal no YouTube em parceria com a Animars Produções.
Nasceu e vive em Brasília, cidade que ama.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Novembro, 2017

Filtrar eventos

24nov(nov 24)09:00(nov 24)09:00FILE - Festival Internacional de Linguagem Eletrônica

25nov(nov 25)09:00(nov 25)09:00FILE - Festival Internacional de Linguagem Eletrônica

25nov(nov 25)21:00(nov 25)21:00Victor e Léo

26nov(nov 26)09:00(nov 26)09:00FILE - Festival Internacional de Linguagem Eletrônica

27nov(nov 27)09:00(nov 27)09:00FILE - Festival Internacional de Linguagem Eletrônica

28nov(nov 28)09:00(nov 28)09:00FILE - Festival Internacional de Linguagem Eletrônica

Mostrar mais eventos
PUBLICIDADE
X

Send this to a friend