Eros e Psiquê

Fernando Pessoa

Conta a lenda que dormia

Uma princesa encantada

A quem só despertaria

Um Infante, que viria

De além do muro da estrada.

 

Ele tinha que, tentado,

Vencer o mal e o bem,

Antes que, já libertado,

Deixasse o caminho errado

Por o que a princesa vem.

 

A princesa adormecida,

Se espera, dormindo espera,

Sonha em morte a sua vida,

E orna-lhe a fronte esquecida,

Verde, uma grinalda de hera.

 

Longe o Infante, esforçado,

Sem saber que intuito tem,

Rompe o caminho fadado,

Ele dela é ignorado,

Ela para ele é ninguém.

 

Mas cada um cumpre o destino

Ela dormindo encantada,

Ele buscando-a sem tino

Pelo processo divino

Que faz existir a estrada.

 

E, se bem que seja obscuro

Tudo pela estrada fora,

E falso, ele vem seguro,

E vencendo estrada e muro,

Chega onde em sono ela mora,

 

E, inda tonto do que houvera,

À cabeça, em maresia,

Ergue a mão, e encontra hera,

E vê que ele mesmo era

A princesa que dormia.


Comentários

Na Mitologia grega, Eros era o deus do amor que foi enviado à terra para fazer Psique, uma mortal, se apaixonar pelo humano mais vil e feio da face da terra, mas, encantado com a beleza da moça, se apaixonou e casou com ela, com a condição de que a esposa nunca visse seu rosto. – Seguindo o conselho das irmãs, Psique acende uma vela enquanto o marido dormia, que acordou e impôs-lhe o castigo de viver sem ele dali para frente. Desesperada, Psique se submeteu a duras provas para reconquistar a confiança do marido, e quando estava prestes a reencontrá-lo, mais uma vez a curiosidade a afastou de seu amor e ainda, caiu em sono profundo. Eros salvou sua noiva daquele encanto e da união deles, nasceu Voluptas, que simboliza o prazer.

Sem dúvida, uma das mais belas obras de Fernando Pessoa. Trata-se de um poema cíclico, que conta a história do encontro entre Eros, o infante e Psique, a princesa. No final, o autor retoma o começo da história e explica que ambos eram a mesma pessoa.

Texto de rara delicadeza, demonstra que para encontrar seu verdadeiro eu, o indivíduo passa por provações e desafios, ignorando que, muitas vezes, o objetivo sonhado e esperado encontra-se dentro de si.

Uma análise possível é que Eros simboliza a curiosidade da criança, o arroubo da juventude, em busca da Psique, que representa a alma. É um elogio à determinação de dois, que superam tudo para irem ao encontro do amor.

 Este poema fez Fernanda Montenegro responder uma vez que a maior atriz do Brasil era Maria Bethânia, tal a intensidade que a cantora deu à interpretação do poema de Fernando Pessoa.

Etiquetas

Adicionar Comentário

Clique aqui para adicionar um comentário

Brasília de Fato nas Redes

Abril, 2017

Filtrar eventos

terça

25

sáb1

dom2

seg3

ter4

qua5

qui6

sex7

sáb8

dom9

seg10

ter11

qua12

qui13

sex14

sáb15

dom16

seg17

ter18

qua19

qui20

sex21

sáb22

dom23

seg24

ter25

qua26

qui27

sex28

sáb29

dom30

25abr09:00- 21:00Rubem Valentim - Construção e Fé

25abr - 2618:00abr 26- 01:00Nu Mercadito - Kakau Lossio e a sensualidade femininaExposição fotográfica


Ver Roteiro completo

X