Eros e Psiquê

Texto de autoria de Elias Daher, colunista da coluna LiterArte de setembro de 2016 a junho de 2017

Fernando Pessoa

Conta a lenda que dormia

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Uma princesa encantada

A quem só despertaria

Um Infante, que viria

De além do muro da estrada.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

Ele tinha que, tentado,

Vencer o mal e o bem,

Antes que, já libertado,

Deixasse o caminho errado

Por o que a princesa vem.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


A princesa adormecida,

Se espera, dormindo espera,

Sonha em morte a sua vida,

E orna-lhe a fronte esquecida,

Verde, uma grinalda de hera.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

Longe o Infante, esforçado,

Sem saber que intuito tem,

Rompe o caminho fadado,

Ele dela é ignorado,

Ela para ele é ninguém.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

Mas cada um cumpre o destino

Ela dormindo encantada,

Ele buscando-a sem tino

Pelo processo divino

Que faz existir a estrada.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

 

E, se bem que seja obscuro

Tudo pela estrada fora,

E falso, ele vem seguro,

E vencendo estrada e muro,

Chega onde em sono ela mora,

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

E, inda tonto do que houvera,

À cabeça, em maresia,

Ergue a mão, e encontra hera,

E vê que ele mesmo era

A princesa que dormia.


Comentários

Na Mitologia grega, Eros era o deus do amor que foi enviado à terra para fazer Psique, uma mortal, se apaixonar pelo humano mais vil e feio da face da terra, mas, encantado com a beleza da moça, se apaixonou e casou com ela, com a condição de que a esposa nunca visse seu rosto. – Seguindo o conselho das irmãs, Psique acende uma vela enquanto o marido dormia, que acordou e impôs-lhe o castigo de viver sem ele dali para frente. Desesperada, Psique se submeteu a duras provas para reconquistar a confiança do marido, e quando estava prestes a reencontrá-lo, mais uma vez a curiosidade a afastou de seu amor e ainda, caiu em sono profundo. Eros salvou sua noiva daquele encanto e da união deles, nasceu Voluptas, que simboliza o prazer.

Sem dúvida, uma das mais belas obras de Fernando Pessoa. Trata-se de um poema cíclico, que conta a história do encontro entre Eros, o infante e Psique, a princesa. No final, o autor retoma o começo da história e explica que ambos eram a mesma pessoa.

Texto de rara delicadeza, demonstra que para encontrar seu verdadeiro eu, o indivíduo passa por provações e desafios, ignorando que, muitas vezes, o objetivo sonhado e esperado encontra-se dentro de si.

Uma análise possível é que Eros simboliza a curiosidade da criança, o arroubo da juventude, em busca da Psique, que representa a alma. É um elogio à determinação de dois, que superam tudo para irem ao encontro do amor.

 Este poema fez Fernanda Montenegro responder uma vez que a maior atriz do Brasil era Maria Bethânia, tal a intensidade que a cantora deu à interpretação do poema de Fernando Pessoa.


Texto de autoria de Elias Daher, colunista da coluna LiterArte de setembro de 2016 a junho de 2017

BDF na Rede

         

Sobre o Colunista

Paulo Souza, 28 anos, produtor cultural, editor e escritor. Possui publicado o livro ‘Ponto para ler contos’ (Kindle, 2016) e participou da ‘Antologia Sombria’ (Empíreo, 2017) e vários contos disponíveis no blog Ponto Para Ler. É criador e editor chefe do Ponto Para Ler e seu respectivo canal no YouTube em parceria com a Animars Produções.
Nasceu e vive em Brasília, cidade que ama.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Novembro, 2017

Filtrar eventos

18nov(nov 18)16:0019(nov 19)16:00Paella da PretaCom Preta Gil e DJ Pathy Dejesus

18nov(nov 18)19:0019(nov 19)19:00Benzadeus Brasília com Durval Lelys

19nov(nov 19)09:00(nov 19)09:00FILE - Festival Internacional de Linguagem Eletrônica

20nov(nov 20)09:00(nov 20)09:00FILE - Festival Internacional de Linguagem Eletrônica

21nov(nov 21)09:00(nov 21)09:00FILE - Festival Internacional de Linguagem Eletrônica

22nov(nov 22)09:00(nov 22)09:00FILE - Festival Internacional de Linguagem Eletrônica

Mostrar mais eventos
PUBLICIDADE
X

Send this to a friend