Agência Pública: jornalismo investigativo e independente pautado pelo interesse público

Iara Vidal*

A Agência Pública é um exemplo positivo de como uma iniciativa privada pode atender ao interesse público e praticar a comunicação pública. Fundada em 2011, é pioneira no Brasil ao apostar em um modelo de jornalismo sem fins lucrativos para manter a independência.

A coluna Conexão Pública conversou com Marina Dias, coordenadora de comunicação da Agência Pública. Ela recorda que o lançamento do projeto, há seis anos, foi liderado por três jornalistas mulheres, duas delas diretoras até hoje: Marina Amaral e Natalia Viana.

Marina Amaral foi uma das fundadoras da Revista Caros Amigos e Natalia Viana passou pela redação da revista Caros Amigos e, em 2010, foi a responsável por divulgar, no Brasil, os documentos vazados pelo Wikileaks à época. Em 2016, Natália foi a repórter brasileira mais premiada, junto com a Eliane Brum, que é conselheira da Agência Pública.

A motivação para fundar na Agência Pública foi a crença de que o acesso à informação é um direito de todo cidadão e cidadã. “Queremos espalhar nosso conteúdo para o maior número de pessoas. Uma de nossas missões é contribuir com o debate democrático no país através de reportagens investigativas e de interesse público”, afirma Marina.

A Pública é financiada por algumas fundações, como Ford Foundation, Open Society Foundation, Oak Foundation e Instituto Betty e Jacob Lafer. Há ainda a modalidade de financiamento coletivo de projetos por meio de crowdfunding.

O funcionamento é similar à uma agência de notícias e as reportagens produzidas pela equipe são livremente reproduzidas por uma rede de mais de 60 veículos, sob a licença creative commons. Entre os republicadores estão os maiores portais de notícias do Brasil.

Todas as reportagens da Pública são feitas com base na rigorosa apuração dos fatos e têm como princípio a defesa intransigente dos direitos humanos. Os principais eixos investigativos são: tortura e violência dos agentes do Estado; megainvestimentos na Amazônia; crise urbana; e empresas e violações de direitos humanos.

Entre os parceiros estão centros independentes de jornalismo da América Latina, dos Estados Unidos e da Europa, além de veículos tradicionais e expoentes das novas mídias.

Atualmente, a equipe da Pública tem cerca de 18 pessoas. A redação fica em São Paulo (SP) e há um Centro Cultural de Jornalismo, a Casa Pública, no Rio de Janeiro (RJ).

A Agência Pública aposta e incentiva em organizações formadas e gerenciadas por jornalistas. “Acreditamos na reportagem e nos repórteres. Por isso, nos dedicamos também a fomentar o formalismo independente no Brasil”, afirma Marina.

Ao longo desses seis anos de história, a Pública já incubou duas iniciativas de jornalismo independente que investigam questões de interesse público e tem contribuído, há cinco anos, para financiar grandes investigações de repórteres independentes por meio do Concurso de Microbolsas.

No momento, estão abertas as inscrições, até dia 29 de abril, para o financiamento de reportagens sobre maconha, realizado em parceria com o Centro de Estudos sobre Segurança e Cidadania da Universidade Cândido Mendes (CESeC).

Uma das iniciativas da Agência Pública é o Mapa do Jornalismo Independente, que mapeou mais de 70 organizações brasileiras que fazem jornalismo independente, de interesse público e que não são ligadas a grandes grupos políticos ou empresariais. “Com essa iniciativa, constatamos que os veículos criados e gerenciados por repórteres estão surgindo cada vez mais no Brasil”, observa Marina.

Outro serviço relevante prestado pela Pública nesses tempos de pós-verdade é a checagem de fatos, por meio da seção Truco. Já desmentiu, por exemplo, a notícia de um desabafo de Ciro Gomes escondido pela TV Globo, checou frases atribuídas a Jair Bolsonaro e destrinchou seis fatos sobre a Reforma da Previdência.

A atuação da Agência Pública tem sido recompensada por meio de prêmios jornalísticos, comoVladmir Herzog, Gabriel Garcia Marquez, Comunique-se, José Lutzenberger de Jornalismo Ambiental, Roche de Jornalismo e Saúde, Délio Rocha – Jornalismo de Interesse Público e muitos outros.

Serviço

Agência Pública
(11) 3661.3887
contato@apublica.org
Rua Vitorino Carmilo, 453 – casa 2
Barra Funda – São Paulo, SP
Facebook: @agenciapublica
Twitter: @agenciapublica
Youtube: apublica
Instagram: @agenciapublica


(*) Iara Vidal é jornalista, associada à ABCPública e colunista da coluna Consumo Consciente, do Brasília de Fato. iara.vidal73@gmail.com

Brasília de Fato nas Redes

Abril, 2017

Filtrar eventos

terça

25

sáb1

dom2

seg3

ter4

qua5

qui6

sex7

sáb8

dom9

seg10

ter11

qua12

qui13

sex14

sáb15

dom16

seg17

ter18

qua19

qui20

sex21

sáb22

dom23

seg24

ter25

qua26

qui27

sex28

sáb29

dom30

25abr09:00- 21:00Rubem Valentim - Construção e Fé

25abr - 2618:00abr 26- 01:00Nu Mercadito - Kakau Lossio e a sensualidade femininaExposição fotográfica


Ver Roteiro completo

X